Farsul

Presidente da CNA defende mais acordos bilaterais para Brasil, em encontro comautoridade Belga

Presidente da CNA defende mais acordos bilaterais para Brasil, em encontro comautoridade Belga


Segundo João Martins, em reunião com o Secretário de Comércio Exterior da Bélgica, o Mercosul hoje é "impedimento" para mais negócios entre o bloco sul-americano e União Europeia O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins da Silva Júnior, defendeu, nessa quarta-feira (11/3) que o Brasil faça mais acordos comerciais bilaterais, independente das negociações no âmbito do Mercosul, para ampliar os mercados para o agronegócio brasileiro. A manifestação foi feita em reunião com o secretário de Estado de Comércio Exterior da Bélgica, Pieter de Crem, na sede da CNA, em Brasília (DF), ao avaliar as discussões em torno do acordo entre o bloco sul-americano e União Europeia, destino de 22% das exportações brasileiras do setor. "Hoje o Mercosul é um impedimento para o acordo", disse João Martins. O presidente da CNA defendeu, também, um sistema de defesa sanitária cada vez mais forte para atender às exigências do mercado internacional, e destacou o esforço do governo brasileiro para garantir a qualidade dos produtos brasileiros. Uma das medidas neste sentido é a Plataforma de Gestão Agropecuária (PGA), maior banco de dados do mundo de monitoramento do rebanho bovino brasileiro, com informações em tempo real sobre a movimentação e comercialização dos animais em território nacional. Este sistema foi desenvolvido pela CNA e entregue ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). À comitiva belga, João Martins, relatou, ainda, o trabalho realizado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) de assistência técnica e extensão rural, com o objetivo de ampliar o número de propriedades com produção em escala comercial. Hoje, das 5,2 milhões de propriedades rurais no país, 300 mil respondem por 78% do Valor Bruto da Produção (VBP), que é o faturamento bruto das atividades "dentro da porteira". Para os próximos anos, a meta é ampliar em 800 mil produtores este contingente. "Não bastam apenas políticas públicas e financiamento. O produtor precisa de assistência técnica", ressaltou. Outro programa do Senar, destacado pelo presidente da entidade, foi o Sertão Empreendedor, voltado para o semiárido nordestino, onde os produtores recebem capacitação e a as orientações necessárias para produzir com competitividade nas regiões mais afetadas pela seca. Agenda - O secretário de Comércio Exterior da Bélgica está no Brasil para uma série de compromissos em Brasília e São Paulo. Além da CNA, Pieter de Crem, reuniu-se com o ministro dos Portos, Edinho Araújo. Nesta quinta-feira (12/3), a comitiva do país europeu será recebida pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu. Um dos temas da pauta com a ministra será a exportação da pera belga para o Brasil. A Bélgica é a maior exportadora mundial da fruta. A balança comercial do agronegócio entre Brasil e Bélgica teve, em 2014, superávit de US$ 1,91 bilhão favoráveis aos brasileiros, com as exportações totalizando US$ 2,11 bilhões, e as importações somando US$ 200 mil. O setor respondeu por 64,3% das vendas externas totais brasileiras para o país europeu no ano passado. Os principais produtos adquiridos pelos belgas são sucos, café, fumo e derivados, produtos florestais e carnes. Assessoria de Comunicação CNA Telefone: (61) 2109 1411/1419 www.canaldoprodutor.com.br

SEE ALSO ...